CONSÓRCIO CAPIM BRANCO ENERGIA

Institucional

A concessão para o aproveitamento hidrelétrico das usinas hidrelétricas Capim Branco I e II (atualmente denominadas Amador Aguiar I e II) foi realizada em leilão público em novembro de 2000. Em maio de 2001, as empresas Companhia Vale do Rio Doce, Cemig Capim Branco Energia S.A, Comercial e Agrícola Paineiras (Empresa do Grupo Suzano), Companhia Mineira de Metais (Votorantin) e Camargo Correia Cimentos, formaram então, o Consórcio Capim Branco Energia – CCBE.

Em 2002, foi assinado o primeiro termo aditivo ao contrato de constituição do CCBE. A empresa Camargo Correia Cimentos, devidamente autorizada pela ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, através da Resolução n.º 305, publicada no Diário Oficial da União em 6 de junho de 2002, transferiu suas cotas para as demais empresas consorciadas.

Desde então, o Consórcio Capim Branco Energia – CCBE é constituído pelas empresas, atualmente denominadas, Vale S.A (48,42%), Cemig Capim Branco Energia S.A (21,05%), Comercial e Agrícola Paineiras – Grupo Suzano (17,89%), e Votorantim Metais Zinco S. A (12,63%).

Após decreto presidencial de 1 de agosto de 2001 que outorgou a concessão de uso de bem público para exploração de potencial hidráulico para geração de energia elétrica, o CCBE e a ANEEL assinaram em 29/01/2001, o Contrato de Geração Nº 090/2000 que estabeleceu o período de 35 anos de concessão ao consórcio.

Atualmente, as usinas hidrelétricas que formam o Complexo Energético Amador Aguiar I operam com potência instalada total de 450 MW, contribuindo significativamente com a oferta de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN), e proporcionando uma melhoria no controle de tensão no sistema de transmissão no Sudeste do país. A Operação e Manutenção (O&M) das usinas é responsabilidade da Cemig Capim Branco Energia S.A.

Curiosidade

Em 2007 o Complexo Energético Capim Branco e as respectivas usinas que o compõem tiveram seus nomes alterados de Usinas Hidrelétricas Capim Branco I e II para Amador Aguiar I e II, em homenagem ao ilustríssimo Sr. Amador Aguiar (in memorian). A mudança do nome, aprovada pela ANEEL foi uma iniciativa das empresas consorciadas, com o objetivo de homenagear este importante empresário brasileiro e seu espírito empreendedor.